sexta-feira, 13 de novembro de 2015

064 - O Monstro do Tempo

Divulgação
O Monstro do Tempo, ou The Time Monster, é o quinto e último arco da 9ª Temporada e foi transmitido entre 20 de Maio e 24 de Junho de 1972.

Sinopse:

O Mestre adotou o pseudônimo de Daskalos, que é a tradução de seu nome em grego, e está usando esse disfarce para utilizar os recursos da universidade de Cambridge para conseguir realizar seus experimentos temporais, o que resultará na volta de uma criatura e uma cidade há muito esquecidas. Dando muito trabalho ao Doutor e a Jo para consertar os estragos das consequências dos atos do Senhor do Tempo renegado.

Notas do Revisor:


Esta é a segunda vez em que o Doutor é confrontado por um minotauro, a primeira foi em O Ladrão de Mentes.

Neste arco, o Doutor fala com Jo sobre um guru Senhor do Tempo que o influenciou quando garoto. A história que o Doutor conta a Jo, sobre subir uma colina e seu guru apontando para uma flor, é baseada em um texto budista, o Mumonkan (O Portão sem portão), em que Buda segura uma flor e Mahakashyapa entende o Zen nesse momento. Temáticas budistas voltariam a aparecer no último arco do 3º Doutor.

Nesta história, o interior da TARDIS foi redesenhado de uma forma que o produtor Barry Letts não gostou, mas a decoração foi danificada pouco depois deste arco ser gravado.

Apesar das fitas em PAL terem sido apagadas, foram devolvidas à BBC cópias em NTSC de Ontário, Canadá, em 1983. Em 1987 foi descoberta uma fita em preto e branco em 625 linhas do Episódio 6. Ela foi colorida combinando a imagem em preto e branco com o sinal de cor em 525 linhas, criando uma cópia de qualidade superior à NTSC.

A propósito, há uma curiosidade sobre este arco que não é mencionada em lugar algum, e que o René faz o favor de contar a seguir. Como é sabido, a TARDIS do Doutor possui um defeito que impede que ela se adapte ao ambiente e permaneça sempre como a caixa azul da polícia. Já a TARDIS do Mestre não possui esse defeito. Neste arco, ela apresenta-se como um computador da década de 1970 no Instituto. Entretanto, ao pousar em Atlântida, ela não se adapta, permanecendo ainda como um computador. Convém lembrar a TARDIS do Monge, que se adaptou até no Egito, em O Plano Mestre dos Daleks.