quarta-feira, 4 de julho de 2018

021 - O Plano Mestre dos Daleks*

Divulgação
O Plano Mestre dos Daleks, ou The Daleks' Master Plan, é o quarto arco da 3ª Temporada e foi transmitido pela primeira vez entre 13 de novembro de 1965 e 29 de janeiro de 1966.

Episódios:

Este arco contém os episódios 1, 3, 4, 6 a 9, 11 e 12 reconstruídos. Para saber mais, acesse Episódios Reconstruídos.

O Pesadelo Começa (The Nightmare Begins)*
Dia do Apocalipse (Day of Armageddon)
Planeta do Diabo (Devil's Planet)*
Os Traidores (The Traitors)*
Enredo Oposto (Counter Plot)
Coronas do Sol (Coronas of the Sun)*
O Banquete de Steven (The Feast of Steven)*
Vulcão (Volcano)*
Morte Dourada (Golden Death)*
Desvio de Fuga (Escape Switch)
O Planeta Abandonado (The Abandoned Planet)*
Destruição do Tempo (Destruction of Time)*

Duração total dos doze episódios: 4:50:24

Sinopse:

Uns seis meses depois dos eventos de Missão ao Desconhecido, a TARDIS aterrissa no planeta Kembel, e o Doutor sai da nave para tentar encontrar ajuda médica para Steven, que está ferido por causa dos eventos de Cavalo da Destruição, deixando-o com a serva troiana Katarina.

Enquanto isso, dois agentes da Segurança Espacial, Bret Vyon e o ferido Kert Gantry, também estão em Kembel tentando descobrir o que aconteceu ao agente Marc Cory. Até que Kert diz para Bret continuar sem ele porque o primeiro está atrasando o segundo. Segundos depois que Bret segue em frente, um Dalek encontra Kert e o mata. Bret, então, depara-se com o Doutor saindo da TARDIS e, na mira de uma arma, faz com que o Doutor deixe-o entrar na nave. Lá dentro, exige aos seus ocupantes que façam a TARDIS decolar e deixe o planeta, mas Katarina mal entende o que está acontecendo, quanto mais sabe como pilotar a nave. Steven, então, recupera-se brevemente e nocauteia Bret, depois de ver o jeito que ele estava tratando Katarina. Nisso, o Doutor volta para a TARDIS e põe o agente de Segurança Espacial preso em uma cadeira, e sai novamente.

Na Terra, Mavic Chen, o Guardião do Sistema Solar, anuncia que vai tirar férias. Entretanto, ele esta é se unindo a uma aliança com os Daleks, e logo chega a Kembel. Ao ver Spar, a nave de Mavic, o Doutor volta à TARDIS, encontrando-a rodeada de Daleks.

Curiosidades e Bastidores:

Segundo o BroaDWcast, este recorte de jornal é uma das primeiras referências a Dr. Who no Brasil. A imagem acima é de um pequeno artigo publicado na primeira página da edição de 14 de novembro de 1965 da Folha de São Paulo. O artigo e a foto foram fornecidos pelo Daily Mirror do Reino Unido e apresentam os Teknix (ou Technix), uma raça de clones que se assemelham a humanos calvos e de pele cinzenta. Dois deles acompanharam Mavic Chen, a bordo da Spar (nome derivado do termo "space car", ou seja, "carro do espaço"), a Kembel. No livro Short Trips: The Solar System, na história Uranus, é revelado que os Teknix foram criados especificamente para serem usados como calculadoras humanas e não tinham livre arbítrio. E no livro Placebo Effect, que eles foram empregados na Federação Galática como trabalhadores, assim como pelo Guardião do Sistema Solar.

O Doutor faz referência à invasão Dalek da Terra no ano 2157, mas essa data não concorda com a dita em A Invasão Dalek da Terra.

Além de ser o primeiro arco com mais de sete episódios, é o primeiro em que há a morte de um acompanhante, a Katarina, interpretada por Adrienne Hill, que faz sua última aparição na série, depois de ter participado de apenas cinco episódios. Este arco também é marcado pela morte de Sara Kingdom e a única aparição dessa personagem na série. Além disso, Nicholas Courtney, futuro intérprete do brigadeiro Lethbridge-Stewart, faz sua primeira aparição na série interpretando o agente da Segurança Espacial Bret Vyon, irmão e vítima de assassinato de Sara Kingdom.

A decisão de unir os dois últimos episódios de Planeta de Gigantes em um teve consequências quando os produtores ficaram com um buraco de um episódio depois de Galáxia 4. Em vez de produzir uma história de um episódio só ou estender outro dos arcos planejados, Missão ao Desconhecido foi feito para servir como um prólogo de O Plano Mestre dos Daleks sem a participação de qualquer um dos atores do elenco regular.

No episódio 8, Vulcão, o Doutor menciona o Cerco de Mafeking. E, no episódio 11, Mavic Chen declara aos seus colegas: "Mesmo que sejamos parceiros iguais aos Daleks nesta grande conquista... alguns de nós são mais iguais que outros.", aludindo ao livro A Revolução dos Bichos.

O futuro compositor regular Dudley Simpson não trabalhou neste arco por causa de uma séria disputa com o diretor Douglas Camfield. Um pouco depois da produção de A Cruzada, os dois tiveram uma discussão. No arco seguinte dirigido por Douglas, O Intrometido do Tempo, ele escolheu usar música de percussão, pensando que melhoraria a atmosfera da história. Entretanto, Dudley interpretou isso como desprezo, piorando a relação entre ambos. Quando O Plano Mestre dos Daleks começou a ser produzido, a tensão entre os dois era tão alta que Douglas nem sequer considerou Dudley para este arco, e contratou Tristram Cary no seu lugar. A disputa continuou sem se resolver quando Douglas faleceu em 1984.

Segundo os créditos, o arco foi obra de Terry Nation (episódios 1 a 5 e 7) e Dennis Sponner (episódios 6 e 8 a 12), com o rótulo "De uma ideia de Terry Nation" nos episódios de Dennis. O editor de roteiros Donald Tosh disse em uma entrevista que o trabalho de Terry no arco não era de mais de 20 páginas, e que ele escreveu quase todos os episódios com os créditos do criador dos Daleks. Entretanto, o historiador de Dr. Who David Brunt desmentiu isso, dizendo que Terry enviou mais de 30 páginas de roteiro para cada um de seus episódios, salvo O Banquete de Steven, e que Donald corrigiu o diálogo ou cortou cenas por motivos de tempo ou orçamento.

Outra controvérsia está no título do arco. Assim como Missão ao Desconhecido, este arco teve problemas com o título. Talvez pelos múltiplos autores ou pelos datilógrafos, foi utilizado praticamente qualquer variação possível do título O Plano Mestre dos Daleks nos documentos da época, embora essa versão apareça em muitos roteiros de câmera. Durante a produção, a história simplesmente foi nomeada em alguns documentos como História Dalek de Doze Partes.

A intenção original era que as cenas da delegacia de polícia no episódio de Natal mostrassem uma mistura de realidades com os personagens e locais da popular série policial da BBC Z-Cars, mas a produção dessa série vetou a ideia, embora a localidade de Liverpool tenha sobrevivido no episódio transmitido. A novelização de John Peel faz referência a esta ideia usando os nomes dos atores de Z-Cars para nomear os personagens da polícia.

Segundo as notas da publicação em CD, o mineral fictício Tarânio, originalmente iria se chamar Vitarânio, mas o termo foi encurtado durante a produção devido à preocupação pela capacidade de William Hartnell para pronunciar a palavra. Também pensaram que Vitarânio parecia muito com "vitamina".

O episódio de Natal exibido em 25 de dezembro de 1965, O Banquete de Steven, foi o primeiro especial da data comemorativa da série. E ainda tem uma quebra da quarta parede no final, algo raro em Dr. Who. Donald Tosh e o produtor John Wiles disseram posteriormente que a cena na que o Doutor e seus companheiros celebram o Natal não estava originalmente no roteiro, e que a cena foi escrita pelo diretor Douglas Camfield precipitadamente quando o episódio ficou curto demais. Também disseram que William Hartnell acrescentou uma linha que não estava no roteiro. No entanto, a cena aparece no roteiro de câmera de Douglas, e era uma prática comum da época nos programas da BBC de que um episódio natalino fosse dirigido diretamente à câmera, enquanto com edição a cena poderia ter sido eliminada se fosse necessário.

Episódios Perdidos:
  • Atualmente, só se conservam os episódios 2, 5 e 10. Os 12 episódios foram gravados e transmitidos de uma fita de vídeo magnética. Posteriormente, a BBC Enterprises fez cópias de 16mm para a posterior venda internacional. Entretanto, o episódio 7 foi deixado de fora, e a história foi vendida como de 11 partes. As fitas originais dos episódios 1, 2, 4, 5, 7, 8 e 9 são dos primeiros episódios da série que mandaram apagar em 17 de agosto de 1967. Desse modo, O Banquete de Steven converteu-se no primeiro episódio de Dr. Who aparentemente perdido para sempre.
  • A BBC Enterprises conservou as cópias em película, embora nenhuma emissora internacional tenha comprado-as, ao menos até 1972. Foram enviadas algumas cópias para a Australian Broadcasting Corporation, mas recusaram-nas por julgarem a história só para adultos e não viram possibilidade de cortar cenas. O destino dessas cópias é incerto. Em algum momento nos quatro anos seguintes, elas foram destruídas.
  • Na filmoteca da BBC, foi encontrada uma cópia em celuloide do episódio 4, embora não se saiba o motivo, já que essa filmoteca não possuía ordem expressa de conservar esse material. Em 1973, o episódio foi enviado à oficina de produção do programa infantil Blue Peter para um especial de Dr. Who e nunca o devolveram. Seu destino final é incerto.
  • Para 1976, a história estava completamente perdida. No entanto, os episódios 5 e 10 foram devolvidos em 1983 depois de aparecer em um baú dentro de uma igreja mórmon em Clapham, ao sul de Londres. Francis Watson, um antigo engenheiro da BBC, devolveu o episódio 2 no princípio de 2004.
  • Como esta foi uma das duas únicas histórias de William Hartnell que nunca foram vistas fora do Reino Unido (a outra foi Missão ao Desconhecido), a recuperação de episódios perdidos a partir do estrangeiro é pouco provável.
Sobreviveram vários fragmentos dos episódios 1, 3 e 4:
  • Episódio 1: No final de 1991 foi descoberto uma cópia muda de extratos deste episódio em uma lata no arquivo da BBC. Em 1998, esses extratos foram editados junto a uma gravação do respectivo som.
  • Episódio 3: Em uma edição de 1971 de Blue Peter (então apresentado por Peter Purves, intérprete de Steven Taylor), foi mostrado um fragmento de cerca de 90 segundos. Peter, ao apresentar o clipe, nomeou erroneamente o arco como Planeta do Diabo, quando este só era o título deste episódio.
  • Episódio 4: Em uma edição de 1973 de Blue Peter, foi incluído um fragmento da cena em que Katarina é ejetada da nave.
  • Além disso, antes da recuperação do episódio completo, foram conservados os fragmentos pré-filmados do episódio 2, incluindo a trilha sonora sem editar, na filmoteca da BBC, e nunca foram destruídos. Em 1991, descobriram que a cópia do arquivo havia desaparecido, mas foi recuperada em 1993. Em 1998, essas tomadas foram combinadas com a gravação do som para reproduzir as cenas tal e como foram transmitidas.

A protagonista do filme que aparece em O Banquete de Steven foi interpretada por Sheila Dunn, que, nesse momento, era a noiva de Douglas Camfield. Os dois se casariam antes do arco ser finalizado.

Roger Avon, que aqui interpreta Daxtar, apareceu anteriormente como Safadino em A Cruzada. E o Monge, que apareceu anteriormente em O Intrometido do Tempo, faz aqui sua última aparição na série. Infelizmente, seu intérprete, Peter Butterworth, não voltou a participar da série.

Reg Pritchard, que apareceu em O Banquete de Steven como "Homem em Mackintosh", havia interpretado anteriormente Ben Daheer em A Cruzada, e o Doutor o confunde com este personagem.

Os delegados alienígenas da conferência Dalek em Kembel são diferentes dos vistos em Missão ao Desconhecido, e, como esse episódio está perdido, há certa confusão sobre quem é quem. Os que reaparecem aqui são interpretados por atores diferentes, alguns são inéditos e outros do prólogo desapareceram. Também houve algumas mudanças de maquiagem e figurino, incluindo novos diálogos. Só houve uma clareza quando o episódio Dia do Apocalipse foi devolvido aos arquivos da BBC.

Jean Marsh, que havia interpretado anteriormente a princesa Joanna em A Cruzada, aqui interpreta Sara Kingdom.

Os episódios 5 e 10 foram publicados em VHS na fita Daleks - The Early Years em 6 de julho de 1991, incluindo os fragmentos mudos pré-filmados, que nessa época acabavam de ser descobertos.

Em novembro de 2004, os três episódios sobreviventes foram publicados na compilação em DVD Lost in Time, junto com todos os fragmentos sobreviventes da história.

O som de todos os episódios sobrevive graças a vários fãs que fizeram gravações das transmissões da televisão. Em 2001, a história completa foi publicada em CD, combinando as partes de melhor qualidade das diferentes gravações. O áudio de Missão ao Desconhecido também foi publicado nesse CD.

A música do arco foi publicada em 2003 como parte de Doctor Who: Devils' Planets - The Music of Tristram Cary.

A história foi novelizada por John Peel, a pedido de Terry Nation, e publicada em dois livros. O primeiro, publicado em setembro de 1989, consistia em uma adaptação de Missão ao Desconhecido e dos seis primeiros episódios de O Plano Mestre dos Daleks. O segundo livro, A Mutação do Tempo, continha a adaptação dos episódios 7 a 12 e foi publicado em outubro de 1989. John tinha a intenção de escrever a novelização como um livro único e longo, mas na época a Target Books tinha um limite máximo de páginas por livro.

John Peel fez uma grande mudança no enredo televisionado colocando uma lacuna de seis meses entre o primeiro e o segundo livros. Mais tarde, ele afirmou que isso era para permitir que futuros escritores desenvolvessem histórias inéditas envolvendo a personagem de Sara Kingdom.

Em maio de 2010, a BBC Audiobooks publicou as leituras completas de ambos os livros por Peter Purves e Jean Marsh, com as vozes dos Daleks feitas por Nicholas Briggs. Os títulos foram ligeiramente modificados para Daleks – Mission to the Unknown e Daleks – The Mutation of Time.

Artes Relacionadas: